sábado, 25 de outubro de 2014

Peregrinação a Fátima da Paróquia de Grândola

Peregrinação da Paróquia de Grândola
25 DE OUTUBRO DE 2014 
Santuário de Fátima 


PROGRAMA DA PEREGRINAÇÃO

6h - Concentração junto à Câmara Municipal e Partida. Paragem no caminho.
9.30h - Via Sacra em Fátima.
11h - Eucaristia na Capela de Sto. Estêvão (45 minutos).
12h - Visita às Casas dos Pastorinhos. Almoço partilhado num Parque do Santuário.
14h - Chegada ao Santuário e tempo livre.
15h - Concentração junto à Basílica da Santíssima Trindade. Breve visita exterior passagem e talvez por dentro. Passagem pela Capelinha das Aparições e entrega de um arranjo de flores. Breve momento de oração. Passagem sem visita pela Basílica de Nossa Senhora do Rosário.
16h - Partida para o Mosteiro da Batalha.
16.30h - Chegada e visita à Igreja.
17.30h - Partida para Grândola. Paragem no caminho para lanche ajantarado.
20h-20.30h - Chegada a Grândola.

No dia 25 de Outubro, mais de duas centenas de paroquianos da paróquia de Nossa Senhora da Assunção de Grândola participaram numa peregrinação ao Santuário de Fátima.



Num dia de Verão em pleno Outono, a peregrinação decorreu de uma forma agradável, em que se viveram excelentes momentos de convívio, partilha e fé, ficam as imagens:



sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Sínodo Diocesano - Reunião com Autarcas

Tal como estava previsto nas dinâmicas do Sínodo Diocesano, teve hoje (dia 09 de Outubro) lugar no Seminário de Beja-Centro Pastoral, entre as 14.30h e as 17.30h, uma actividade direccionada para Autarcas que exercem o seu mandato no Baixo Alentejo e Alentejo Litoral, que corresponde à área da Diocese de Beja. Estiveram presentes praticamente todos os Municípios, Juntas de Freguesia, Assembleias Municipais e as duas Comunidades Inter-Municipais, através dos seus mais altos representantes. O programa incluiu uma intervenção de fundo do Prof. Doutor Alfredo Bruto da Costa, Presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz e uma autoridade reconhecida dentro e fora de Portugal, sobre a pessoa, a economia, a crise, a transformação da sociedade, o bem comum, à luz dos princípios fundamentais da Doutrina Social da Igreja, a que se seguiram um conjunto de intervenções pelos presentes. Foi sensível a abertura e a vontade de colaborar na comum resposta aos problemas das pessoas e das comunidades, o que supõe, cada vez mais, parcerias e uma capacidade de ultrapassar visões distorcidas do bem comum, facilmente confundido com o bem individual ou de grupos. Neste processo a Igreja é reconhecida como um parceiro necessário e credível e a sua missão considerada fundamental. Esperemos que haja continuidade deste espírito de abertura, que os seus frutos se façam sentir, a bem de todos os que vivem e trabalham neste vastíssimo Alentejo, à procura de consensos, e que a Igreja não defraude aqueles que, mesmo sem fé, reconhecem a sua missão.

Do encontro ficam alguns registos fotográficos.