terça-feira, 20 de agosto de 2013

Reunião/jantar do Grupo 3 dos Cursilhos de Cristandade

O Grupo 3 do Centro de Ultreias de Grândola dos Cursilhos de Cristandade realizou mais uma das suas reuniões quinzenais na Herdade Monte das Faias.

A noite encerrou com um jantar convívio no restaurante Sabores da Praça, no Mercado Municipal de Grândola com a presença do Pároco de Grândola, Pe. Manuel António, do Vigário Paroquial de Grândola, Pe. José Manuel Bravo e de dois convidados de Moura, o Pe. Paulo e o Francisco (um futuro sacerdote!!!).



domingo, 18 de agosto de 2013

Festa de Nossa Senhora da Conceição em Azinheira dos Barros

A paróquia de Azinheira dos Barros celebra em 2013 o 500º aniversário da sua criação.

Assim este ano a principal festa religiosa da paróquia, a Festa de Nossa Senhora da Conceição, foi enriquecida com a inauguração de um monumento aos 500 anos da Paróquia!

A festa que foi presidida pelo Bispo da Diocese de Beja, D. António Vitalino, acolitado pelos padres Manuel António do Rosário, pároco de Azinheira dos Barros e José Manuel Bravo, Vigário Paroquial de Grândola. 

Contou também com a presença de Graça Nunes, Presidente da Câmara Municipal de Grândola, de António Chainho, Presidente da Assembleia Municipal de Grânbdola, de José António Falcão, Director do Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja, de Pedro Ruas, Presidente da Junta de Freguesia de Azinheira dos Barros, etc.



sábado, 10 de agosto de 2013

Encerramento das Festas de São Lourenço, em Canal Caveira

São Lourenço Diácono e Mártir 10 de Agosto

"Louvamos teu martírio, Lourenço, Santo irmão, pedindo que da igreja escutes a oração." (Liturgia das horas).

No livro dos Actos dos Apóstolos, no capítulo 6, vemos a preocupação dos mesmos quanto ao crescimento do número dos discípulos, convocaram uma reunião e expuseram suas angústias, dizendo: "Não é razoável que abandonemos a palavra de Deus para administrar." (Servir as mesas) pois muitos dos discípulos gregos queixavam-se que suas viúvas, estavam sendo esquecidas e negligenciadas pelos hebreus. 


Foram escolhidos entre os irmãos, homens de boa reputação, cheios do Espírito Santo e de sabedoria, para administrar o cuidado com os pobres, órfãos e viúvas. Ou seja o tesouro precioso, do Senhor. Estes homens foram chamados de Diáconos. O patrono dos Diáconos Astro de primeira grandeza, brilha o nome de São Lourenço no firmamento da Igreja Primitiva. O nome Lourenço é o mesmo que Laureamtenens, querendo dizer "Coroa feita de Louro", como a que antigamente os vencedores recebiam após suas vitórias. Lourenço obteve a vitória em sua paixão. Assim como o Pé de louro, ou seja suas folhas servem para dissolver cálculos, curar infecções dos ouvidos e evitar raios, Lourenço quebra o coração endurecido, devolve a audição espiritual e protege os condenados de injustas sentenças. 

O Diácono Lourenço, de Origem espanhola, foi levado a Roma pelo bem-aventurado Sixto II, em Roma nosso Diácono foi incumbido de administrar os bens da Igreja e socorrer os pobres que eram mantidos pela mesma. O cruel Imperador Valeriano, determinou uma acirrada perseguição à Igreja, seus bispos, sacerdotes e diáconos, e uma das primeiras vítimas foi o Papa Sixto II, este sofreu o martírio em 258. Lourenço acompanhou-o até o lugar do suplício, e com os olhos marejados de lágrimas disse-lhe: "Meu pai, para onde vás sem vosso filho? Para onde o Santo Padre, sem o vosso diácono? Jamais oferecestes o sacrifício, sem que eu vos acolitasse? Em que vos desagradei? Encontrastes em mim alguma infidelidade?" O Papa, comovido com estas palavras de dedicação filial, respondeu: "Não te abandono, meu filho! Deus reservou-te provação maior e vitória mais brilhante, pois és jovem e forte; velhice e fraqueza fazem com que tenham pena de mim; daqui a três dias me seguirás." Tendo assim falado, deu ao jovem diácono instruções sobre os tesouros da Igreja, aconselhando que os repartisse entre os pobres. 

Lourenço atento à solicitação do Santo Padre, procurou todos os pobres, viúvas e órfãos da Igreja e entre eles repartiu o dinheiro que havia. Objectos de outro, prata, como pedras preciosas, vasos sagrados de grande valor, tudo foi vendido e com o dinheiro sustentou os milhares de pobres da Igreja.

Quando o prefeito da cidade teve conhecimento dos grandes tesouros da Igreja e de que Lourenço era o administrador, mandou chamá-lo à sua presença e disse-lhe: "Nada de ti exijo, que não seja possível realizar. Soube que os vossos sacerdotes se servem em vasos de ouro e prata em vossas celebrações e que usais velas de cera, colocadas em castiçais de ouro. Soube, também, que vossa Igreja ordena dar a César o que é de César; trazei-me, pois, todos estes objectos, de que o imperador precisa." "É verdade, - replicou Lourenço, - a Igreja é rica, mais rica que o Imperador. Concedei-me o prazo necessário, e tudo será arranjado em tempo." O Prefeito supondo tratar-se de riquezas materiais deu-lhe de boa vontade o prazo de três dias. 

Lourenço correndo contra o tempo, foi ao encontro de todos os pobres, viúvas, órfãos, cegos, surdos, mudos, paralíticos, peregrinos e desamparados, para que no terceiro dia estivessem todos à porta da Igreja. No dia e hora marcados, todos em grande multidão, compareceram à porta da Igreja. 

Lourenço convidou o Prefeito para inspeccionar os tesouros da Igreja e apontou para a multidão reunida: "Eis os tesouros da Igreja: os míseros que levam com resignação a cruz de cada dia, carregam o ouro da virtude; são as almas predilectas do Senhor que valem muito mais que pedras preciosas." O Prefeito vendo-se enganado e iludido, cheio de ódio falou: "É assim que te atreves a ludibriar as Autoridades Reais Romanas? Miserável! Se o teu desejo é morrer, pois bem, hás-de morrer, mas uma morte longa e cruel." 

Deu a ordem para que Lourenço fosse cruelmente açoitado. Finalmente mandou que trouxessem uma grelha, que foi posta sobre brasas. O Santo foi despido e colocado sobre a grelha incandescente. Santo Ambrósio escreveu que o seu rosto brilhava como um fogo divino, e de seu corpo exalava um suave perfume que inebriava a todos. Lourenço demonstrava uma paz inigualável; seus lábios esboçavam um discreto sorriso; e com mansidão disse ao Juiz: "Se desejares, podeis dar ordem para que me virem, pois já estou bastante assado deste lado!" O Santo mártir rezava pela conversão de Roma, cidade eterna regada com o sangue dos apóstolos Pedro e Paulo. Seus últimos momentos foram de louvor e adoração; era o dia 10 de Agosto de 258. 

São Prudêncio era da opinião que a conversão de Roma, foi fruto do martírio de São Lourenço. São Leão assim expressou o seu martírio: "As chamas não puderam vencer a caridade de Cristo; e o fogo que queimava por fora foi mais fraco do que aquele que lhe ardia por dentro." Que o exemplo de São Lourenço nos inspire sempre a prática da caridade verdadeira e perfeita.



segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Festa de S. Lourenço em Canal Caveira

No dia 01 de Agosto de 2013, tiveram início as Festas de São Lourenço, em Canal Caveira.

Iniciaram-se, ao fim da tarde, com a deslocação em procissão auto da imagem de São Lourenço da igreja matriz de Grândola para Canal Caveira.

À chegada a Canal Caveira realizou-se uma procissão pelas ruas da aldeia até ao Centro Comunitário, onde a imagem ficou exposta.

As celebrações continuaram às 21:00 horas com uma vigília, realizada no Centro Comunitário.